20.5 C
Brasília
segunda-feira, 4 março 2024 9:22

Pesquisa do Sebrae e da FGV aponta que formalizar o negócio pode aumentar o faturamento.

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

Pequenos empreendedores podem aumentar em até 25% o faturamento de seus negócios ao formalizá-los, revela pesquisa conjunta do Sebrae e da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O estudo constatou que empreendimentos formais têm uma receita média de R$ 3,5 mil, enquanto os informais alcançam aproximadamente R$ 1,2 mil. No Brasil, existem 15 milhões de pessoas com seus negócios formalizados, representando um em cada 12 brasileiros em idade ativa, que são ou já foram Microempreendedores Individuais (MEI). O objetivo da pesquisa foi avaliar o impacto desse modelo na vida dos empresários.

Rafael Moreira, assessor da diretoria técnica do Sebrae, ressalta que os números identificados pela pesquisa são positivos, afirmando que “a formalização pelo MEI representa um aumento de renda de cerca de 25% para o empreendedor, simplesmente por ter se formalizado”. Ao obter o CNPJ, o empresário assume obrigações e custos de uma empresa formal, mas também tem acesso a crédito e a oportunidades de pagamento, o que traz organização e estrutura para o negócio. De forma geral, a formalização de pequenas empresas movimenta R$ 70 bilhões.

Além disso, a pesquisa abordou dados relacionados ao Simples Nacional, revelando que o sistema tem um faturamento anual de R$ 4,8 milhões e é responsável por 8 em cada 10 vagas de emprego. Fernando Baldissera, diretor administrativo da Fenacon, destaca a importância desse mecanismo de arrecadação, mas ressalta a necessidade de atualização da tabela. Segundo ele, “atualmente, a tabela do Simples Nacional está defasada em quase 80% em comparação com os índices inflacionários. Deveria haver um aumento significativo da tabela e uma correção anual, levando em consideração a inflação. Embora os limites da tabela tenham sido ajustados, isso não reduziu a carga tributária”. O relatório do Sebrae em parceria com a FGV também destaca que, a cada 2 empregos criados por empresas do Simples Nacional, uma nova vaga de trabalho é gerada indiretamente.

- Publicidade -spot_img

Você vai gostar disso