21.5 C
Brasília
sábado, 24 fevereiro 2024 3:45

Em 2022, os investimentos diretos globais diminuíram em 12%, totalizando US$ 1,3 trilhão.

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

 De acordo com o Relatório de Investimento Mundial 2023 da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, os investimentos estrangeiros diretos (FDI) no mundo caíram 12% em 2022 em comparação com 2021, de US$ 1,47 trilhão para US$ 1,3 trilhão. No entanto, nos países em desenvolvimento, houve um aumento de 4%, totalizando US$ 916 bilhões, o que representa uma participação recorde de 70% dos fluxos globais, embora o crescimento esteja concentrado em algumas grandes economias emergentes.

 A desaceleração nos investimentos é resultado de fluxos e transações financeiras menores em países desenvolvidos. Os Estados Unidos continuam sendo o principal destino de investimentos, liderando em projetos greenfield e project finance, enquanto o Brasil ocupa o quinto lugar nessa categoria. Houve um crescimento nos setores de infraestrutura e em setores enfrentando pressões de reestruturação da cadeia de suprimentos, como eletrônicos, automóveis e máquinas. No entanto, o investimento nos setores da economia digital desacelerou em 2022, após um período de crescimento em 2020 e 2021. Em relação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), houve um aumento significativo na atividade internacional em setores alinhados a esses objetivos nos países em desenvolvimento, embora alguns setores dos ODS apresentem progresso lento.

 O investimento em energia renovável também desacelerou em 2022, com anúncios de investimentos greenfield em ascensão, mas os acordos internacionais de financiamento de projetos diminuíram. Apesar disso, os investimentos internacionais em energias renováveis tiveram um crescimento considerável desde 2015, principalmente em países desenvolvidos, especialmente na Europa, onde o apoio político foi um impulsionador importante.

- Publicidade -spot_img

Você vai gostar disso