Professor da FGV ensina como aplicar o prêmio da Mega-Sena




De acordo com a Caixa, caso haja apenas um ganhador e o dinheiro seja aplicado na poupança, é possível receber mais de R$ 1 milhão por mês.

De acordo com a Caixa, caso haja apenas um ganhador e o dinheiro seja aplicado na poupança, é possível receber mais de R$ 1 milhão por mês.

O coordenador do MBA em Gestão Financeira da Fundação Getulio Vargas (FGV),
Ricardo Teixeira, explica como os futuros milionários da Mega-Sena devem
aplicar a fortuna para viver confortavelmente, sem preocupações. Segundo ele,
o ideal é  construir uma carteira de investimentos diversificada para reduzir
riscos, elevar o potencial de ganhos e criar uma estratégia de rendimentos que
faça o  valor recebido ter um crescimento real bem acima da inflação,
independentemente do cenário econômico.

“Caso o sorteio tenha um só vencedor, com os R$ 275 milhões é possível
desfrutar da vida praticamente sem preocupações e ainda sobrar para mais
algumas gerações desfrutarem. Claro que as despesas devem ser realizadas
dentro de um planejamento que não leve à descapitalização. Para não ter
problemas, o ideal é investir cerca de 40% da premiação em uma aplicação
conservadora e dividir o restante em investimentos moderados e investimentos com
maior  potencial  de  retorno,  mas  consequentemente  com  risco.  Com  um
prêmio  dessa  ordem,  qualquer aplicação conservadora já vai garantir uma
renda que permitirá uma vida muito confortável”, explica Ricardo Teixeira.

O especialista ressalta, no entanto, que o sortudo deve ficar atento à
inflação. “Apesar de o valor da premiação ser bem alto, e a inflação dos
últimos anos ter ficado em torno dos 4% ao ano, a inflação real é bem maior.
Logo, não é recomendável alocar a maior parte do prêmio em aplicações que
podem gerar prejuízos, como foi o caso de um ganhador que tentou ingressar no
ramo hoteleiro. Ele não conseguiu finalizar o projeto e ainda perdeu muito
dinheiro com juros dos  empréstimos,  e  com  processos trabalhistas e fiscais.
Resultado: perdeu quase toda a fortuna que ganhou”, comenta o professor da
FGV.

Ricardo Teixeira lembra ainda que é possível que a premiação  venha a ser
dividida entre muitos. “Neste caso, a recomendação é a mesma: diversificar o
investimento. Porém, vale assegurar logo a compra do imóvel próprio. O
restante deve ser destinado a aplicações. Caso a pessoa não tenha
experiência no assunto, preserve o patrimônio que a sorte lhe deu. Evite
aplicações de alto risco”, indica o especialista em gestão financeira.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário