Lava Jato aliviou a barra de executivos e ferrou a Odebrecht, mostram conversas




Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato cogitaram ferrar os donos e executivos da Odebrecht fazendo-os se desfazer do controle da empresa e obrigando-os a arcar com as próprias multas. Mas com o avanço das delações, foi feito justamente o oposto. Os donos continuam donos e a Odebrecht arcou com boa parte das multas pelos crimes, e com os advogados dos criminosos.

Ou seja, no final das contas quem pagou a conta foram os milhares de trabalhadores que perderam seus empregos por causa da crise na empresa em função da Lava Jato.

É o que mostra uma nova reportagem da série Vaza Jato, realizada pelo Intercept em parceria com a Folha de São Paulo, publicada neste domingo (22).

Segundo a reportagem, os procuradores pensaram até em obrigar os donos da Odebrecht a vender suas ações na empresa, para que se afastassem completamente dos seus negócios após a delação.

Os investigadores também discutiram a possibilidade de impedir a Odebrecht de pagar os advogados dos delatores e se responsabilizar pelas multas impostas aos executivos, para evitar que preservassem o patrimônio com a corrupção na empresa.

Mas deixaram de lado essas medidas com o avanço das negociações, para não inviabilizar o acordo com a Odebrecht ou as delações premiadas.

O resultado foi a destruição de todo um setor produtivo do país.

Além de pagar as despesas com multas e advogados, a Odebrecht indenizou ex-funcionários que participaram das delações pela perda de bens por danos causados à sua reputação. Ou seja, eles praticamente foram pagos para revelar seus crimes e incriminar os inimigos da Lava Jato.

Com informações da Folha de São Paulo.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*