Ratinho Júnior apela para violência física e institucional contra servidores público




Ano após ano os servidores públicos do Paraná são atacados. Seja com a retirada de direitos, saques de sua aposentadoria, violência física ou moral. O governador Ratinho Júnior parece ter seguido os passos do seu mentor na política, Beto Richa, e está usando todos os mecanismos institucionais para violentar os direitos da categoria.
Não bastasse, novamente, o uso da violência policial contra os servidores públicos durante a legítima ocupação da Assembleia Legislativa, agora um pedido de reintegração de posse foi concedido pelo Poder Judiciário para retirar, a força, os trabalhadores e trabalhadoras que lutam em defesa de suas aposentadorias.
Em menos de três horas, a juíza substituta Rafaela Mari Turra, concedeu a reintegração de posse. Assim como todo o processo de debate da Reforma da Previdência em momento algum os trabalhadores foram ouvidos.  A judicialização da política demonstra que a trinca de poderes, executivo, legislativo e judiciário parecem estar fechados contra a classe trabalhadora no Paraná, em especial, do serviço público.
A CUT Paraná manifesta seu repúdio ao Governo do Estado, Assembleia Legislativa e a parcela do judiciário que reforça atitudes autoritárias, antidemocráticas e de retirada de direitos. Não há outro caminho para Ratinho Júnior que não a retirada dos projetos que alteram a previdência. É preciso estabelecer um diálogo com as categorias envolvidas e estabelecer uma tramitação que envolva, definitivamente, valores democráticos para a construção de um amplo debate com os trabalhadores e trabalhadoras envolvidos.
A cada passo do novo governo, ele parece mais antigo. A cada reflexo das ações de Ratinho Júnior, mais se vê a imagem de Beto Richa. A cada passo do autoritarismo, seja ao atropelar o diálogo, ao estabelecer a violência policial ou apelar para a judicialização para resolver problemas que ele mesmo criou, a democracia cada vez mais enfraquecida e distante do dia a dia dos trabalhadores e trabalhadoras do Paraná.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*