Aumenta a presença da mulher no mercado de trabalho




Foto: Pixabay

Nesta segunda-feira (7), às 15h, será divulgado o novo Boletim da Mulher no Mercado de Trabalho do Distrito Federal. O estudo foi elaborado pela Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) em parceria com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) com base nos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED).

A amostra é o resultado de uma pesquisa feita em 2,5 mil domicílios do DF e 500 residências no Entorno, abrangendo 12 municípios goianos que fazem divisa com esta unidade da Federação.

O relatório traz um panorama atual da participação feminina no mercado de trabalho, os níveis de desemprego e as alterações na estrutura ocupacional e no padrão de rendimentos, para homens e mulheres, entre os segundos semestres de 2020 e 2021.

Desigualdade

As mulheres do DF ainda convivem com desvantagens históricas em relação aos homens, principalmente no âmbito do mercado de trabalho, expressas nas diferenças entre as taxas de desemprego e os níveis de remuneração de ambos os sexos. Essa situação piorou durante o início da pandemia de covid-19.

Porém, com o avanço da vacinação e a retomada da normalidade econômica no último ano, a situação demonstrou mudanças, com o retorno das mulheres à esfera produtiva. Os números mostram que, entre o segundo semestre de 2020 e o segundo semestre de 2021, a taxa de participação feminina cresceu de 56,7% para 58,8%.

Isto fez a população feminina economicamente ativa no DF também aumentar de um período para o outro: de 772 mil para 803 mil. Os dados se referem à soma do quantitativo de trabalhadoras ocupadas e desempregadas, mas que estão aptas para trabalhar.

Taxas de ocupação

A pesquisa também mostra que houve um crescimento de 5,9% da presença feminina no universo das pessoas ocupadas no segundo semestre entre 2020 e 2021. De um ano para outro, aumentou o número de trabalhadoras empregadas: eram 612 mil em 2020 e, no ano seguinte, 648 mil.

O levantamento também detalha a presença feminina no mercado de trabalho por faixa etária. Entre as mais jovens, de 16 a 24 anos, foi registrado um aumento de 57,3% na taxa de trabalho – cifra que é de 61,9% entre as mulheres de 24 e 25 anos e de 82,9% entre as de 25 a 39 anos de idade.

Além do mercado de trabalho, a pesquisa teve como foco a participação da mulher na família. Segundo o levantamento, de um período ao outro, a taxa de participação das mulheres que desempenham a função de principal responsável ou chefe passou de 55,5%, em 2020, para 56,6%, em 2021.

Para acompanhar a divulgação ao vivo, basta acessar o canal da Codeplan no YouTube às 15h.

Fonte: Agência Brasília

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário