Unidades de atenção psicossocial adotam novo modelo de gestão




Os 18 Centros de Atenção Psicossocial (Caps), o Centro de Orientação Médico-Psicopedagógica (COMPP) e o Adolescentro são as novas unidades da Secretaria de Saúde com acordos de gestão local. Os documentos foram oficialmente assinados, nesta quarta-feira (15), na sede da pasta. “Isso nada mais é do que a organização da gestão”, afirmou o secretário de Saúde, general Manoel Pafiadache.

Com os acordos de gestão local, as unidades passam a ter indicadores definidos de desempenho, que devem ser avaliados. No caso dos Caps, por exemplo, cada unidade deverá mensurar o número de acolhimentos, ações junto às equipes de Atenção Primária e ações territoriais, entre outros indicadores.

Ao longo de um ano de vigência dos acordos, os gestores das unidades terão oficinas de planos de ação e os resultados serão monitorados mensalmente. O COMPP e o Adolescentro, focados no atendimento em crianças e adolescentes, respectivamente, também passam a ter indicadores específicos.

“A ideia é que a gente possa tomar decisões com base nos resultados”, resumiu a coordenadora especial de Gestão de Contratos de Serviços de Saúde, Mabelle Varonilia Roque. Ela explicou que a definição dos indicadores ocorreu de maneira conjunta e que o acompanhamento permitirá identificar o que pode ser feito para melhorar os serviços. “O nosso trabalho é sempre para melhorar a assistência ao usuário final.”

O Programa de Gestão Regional da Saúde começou a ser implantado no DF em 2017, com capacitação de gestores e servidores, além de levantamento sociodemográfico de todas as regiões de saúde. Hoje, já têm acordos de gestão as superintendências regionais de Saúde, as 176 unidades básicas de saúde, as policlínicas e os centros especializados.

Fonte: Agência Brasília

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário