24.5 C
Brasília
quinta-feira, 22 fevereiro 2024 18:03

Após ação no STF, TJAM recorre a deputados por aumento de salário

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

O Tribunal de Justiça do Amazonas enviou aos deputados estaduais um anteprojeto de lei que assegura aumento de salários dos magistrados até 2025. O envio da proposta ocorre após a PGR (Procuradoria-Geral da República) acionar o STF (Supremo Tribunal Federal) para anular uma lei estadual que concede poder aos desembargadores para aumentar os próprios salários.

A propositura começou a tramitar na Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (8), após reunião dos desembargadores na terça-feira (7).

No documento enviado aos deputados, os desembargadores consideram o reajuste concedido pelo Congresso Nacional aos ministros do STF até 2025. O salário dos ministros subirá de R$ 39.293,32 para R$ 41.650,92 a partir de abril deste ano, e chegará a R$ 46.366,19 em 2025.

A Constituição da República garante que os desembargadores tem direito ao subsídio no equivalente a 95% do salário dos ministros.

Com a aprovação, o salário de um desembargador do TJAM aumentará de R$ 35.462,22 para R$ 37.589,96 em abril deste ano. Em fevereiro de 2024, subirá para R$ 39.717,69, e em 2025 ficará em R$ 41.845,49.

Os juízes de Direito de Entrância Final, que recebem R$ 33.689,11, passarão a receber R$ 35.710,46 em abril deste ano, R$ 37.731,80 em fevereiro de 2024 e R$ 39.753,21 em 2025.

Os juízes de Entrância Inicial e os substitutos de carreira, que atualmente recebem R$ 32.004,65, serão remunerados em R$ 33.924,93 a partir de abril, R$ 35.845,21 no próximo ano e R$ 37.765,55 em 2025.

No mês passado, o procurador-geral da República, Augusto Aras, foi ao STF para anular leis que concedem poderes aos desembargadores do TJAM para decidir sobre salários dos servidores do Poder Judiciário, incluindo os deles. Conforme Aras, a Constituição da República prevê que essa tarefa cabe ao Poder Legislativo.

A Lei Estadual nº 4.311/2016, contestada pela PGR, estabelece que os salários dos magistrados serão fixados por meio de resolução do Tribunal Plano, que é o colegiado de desembargadores. Permite ainda que o Tribunal faça a correção de “distorções” de vencimentos e a atualização dos salários comissionados e funções gratificadas do Poder Judiciário amazonense.

A mesma lei dá poderes ao presidente do TJAM para promover, sozinho, a atualização de subsídios (salários dos desembargadores) e vencimentos dos servidores, em eventual “impossibilidade de edição de resolução antes de iniciado o recesso forense [recesso de fim de ano] e em face de circunstâncias devidamente justificadas”.

Para Aras, ao viabilizar a mudança em salários de servidores do TJAM, as leis infringiram a Constituição Federal, que “exige que os reajustes e as revisões das remunerações dos agentes públicos ocorram unicamente por intermédio de lei formal”. Nesse caso, o TJAM propõe a mudança através de anteprojeto e os deputados discutem e decidem sobre o tema.

Aras sustentou ainda que as normas vão contra regras da Constituição Federal que impõem que a revisão geral anual dos vencimentos e dos subsídios pagos pelos poderes públicos seja estabelecida mediante lei proposta pelo governador do estado e que alcance “invariavelmente todos os agentes públicos, na mesma data, pelos mesmos índices”.

“[As leis] viabilizaram que o benefício da revisão geral anual alcance apenas as remunerações dos magistrados e dos servidores do Poder Judiciário do Amazonas, em detrimento dos demais agentes públicos estaduais, por intermédio de ato normativo do Tribunal de Justiça, em prejuízo da reserva de iniciativa constitucionalmente conferida ao Chefe do Poder Executivo”, diz Aras.

De acordo com a PGR, entre os anos de 2017 e 2021, o TJAM, com base na Lei nº 4.311/2016, editou diversos atos para fixar, reajustar e promover a revisão geral anual das remunerações de magistrados e servidores do Poder Judiciário amazonense. Segundo Aras, todos os atos têm inconstitucionalidades.

Em dezembro de 2021, ainda conforme a PGR, entrou em vigor a Lei Estadual nº 5.721, de iniciativa do TJAM, que revogou trechos da Lei nº 4.311/2016, mas convalidou as atualizações de salários promovidas entre 2017 e 2021 e as datas-bases dos vencimentos dos servidores do TJAM fixadas com base na norma de 2016.

Para Aras, a lei de 2021 buscou convalidar “atos normativos infralegais do Tribunal de Justiça do Amazonas os quais, ainda que fundados na Lei estadual 4.311/2016, contrariaram, desde o princípio, as reservas legal e de iniciativa” previstas na Constituição Federal. Por isso, não foi capaz de tornar legal as atualizações salariais viabilizadas pelo TJAM entre 2017 e 2021.

- Publicidade -spot_img

Você vai gostar disso