24.5 C
Brasília
segunda-feira, 17 junho 2024 18:17

Roupas virtuais ajudam com o problema do desperdício da moda

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

A natureza efêmera da moda pode parecer um estranho companheiro para o blockchain. Mas a indústria está encontrando maneiras de aproveitar isso e outras ferramentas digitais para reduzir o desperdício e impulsionar a moda para o futuro.

A empresa italiana Lablaco está trabalhando com casas de moda e marcas para digitalizar suas coleções no crescente mercado de moda “phygital” – quando os clientes compram um item de moda físico e seu “gêmeo” digital, projetado para ser coletado ou usado por avatares em ambientes virtuais como o metaverso.

Lablaco foi fundada em 2016 por Lorenzo Albrighi e Eliana Kuo. Ambos tinham experiência em moda de luxo, mas buscavam melhorar as credenciais de sustentabilidade do setor e promover a moda circular – a prática de projetar e produzir roupas para reduzir o desperdício.

A dupla lançou o Circular Fashion Summit em 2019 e a Lablaco trabalhou com a varejista H&M para introduzir um serviço de aluguel de roupas baseado em blockchain em 2021.

Empurrar a moda para os espaços digitais ajuda a gerar dados que são vitais nos esforços para avançar em direção à moda circular, argumentam eles.

Com o modelo da Lablaco, os itens físicos e digitais permanecem emparelhados mesmo após a venda, portanto, se um item físico for revendido, o equivalente digital é transferido para a carteira digital do novo proprietário.

A transparência da tecnologia blockchain significa que o novo proprietário pode ter certeza de sua autenticidade e o criador do item pode acompanhar sua jornada pós-venda.

“Se você não digitalizar o produto em si, não poderá ter dados para medir e não saberá qual é o impacto na moda”, disse Albrighi ao CNN Business.

Corte de resíduos

A indústria têxtil e da moda gera cerca de 92 milhões de toneladas de resíduos anualmente, e a moda digital pode ter um papel importante na redução desse número.

Kuo diz que os espaços digitais podem ser usados ​​como um teste para o mundo físico. Por exemplo, um designer poderia lançar um item de vestuário digital em 10 cores no metaverso e usar os dados de vendas para informar quais cores usar para a versão do mundo real.

“Ele se torna automaticamente um modelo sob demanda, o que realmente pode reduzir o desperdício de moda”, diz ela.

Experimentar roupas virtuais também pode reduzir a quantidade de roupas devolvidas no mundo físico, diz Albrighi. Ele acrescenta que a realização de desfiles de moda em espaços virtuais reduz a necessidade de viagens do mundo da moda. Ambas as intervenções têm o potencial de reduzir a pegada de carbono da indústria.

Mas para que essas inovações se espalhem, Albrighi diz que incentivar os designers é fundamental. Com o modelo phygital, a transparência do blockchain pode permitir que as marcas recebam royalties quando um item é revendido ao longo de sua vida útil – uma maneira de “produzir menos e realmente ganhar mais”.

- Publicidade -spot_img

Você vai gostar disso