20.5 C
Brasília
segunda-feira, 4 março 2024 8:50

No Peru sobe o número de mortos para 46 em meio a violência!

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

LIMA, Peru – Pelo menos 17 pessoas foram mortas no sul do Peru em questão de horas na segunda-feira em meio a protestos pela deposição do ex-presidente, um extraordinário espasmo de violência que levou a críticas de força excessiva por parte dos militares e da polícia.

As mortes aumentaram as preocupações de que os protestos continuariam a crescer.

Centenas de manifestantes se reuniram na segunda-feira na região andina de Puno em apoio ao presidente deposto, Pedro Castillo.
Centenas de manifestantes se reuniram na segunda-feira na região andina de Puno em apoio ao presidente deposto, Pedro Castillo.

O Peru, quinto país mais populoso da América Latina, tem sido palco de violentas manifestações desde meados de dezembro, quando o presidente esquerdista do país, Pedro Castillo, que havia prometido resolver problemas antigos de pobreza e desigualdade, tentou dissolver o Congresso e governar por decreto. A medida foi amplamente condenada como inconstitucional e Castillo foi preso e substituído por seu vice-presidente.

Apoiadores de Castillo, muitos deles vivendo em regiões rurais empobrecidas, rapidamente saíram às ruas para exigir novas eleições gerais, com muitos alegando que haviam sido destituídos do direito de serem governados pelo homem que haviam votado no cargo apenas um ano depois. mais cedo.

A violência, na cidade de Juliaca, no sul, perto da fronteira com a Bolívia, na segunda-feira, marcou o confronto mais mortal entre civis e atores armados no Peru em pelo menos duas décadas, quando o país emergiu de uma ditadura e também de uma longa e brutal luta com um violento grupo guerrilheiro, conflito que deixou pelo menos 70.000 mortos, muitos deles civis.

Na terça-feira, Jennie Dador, secretária executiva da Coordenadoria Nacional de Direitos Humanos do Peru, um grupo de responsabilidade, culpou o “uso indiscriminado da força” pelas forças de segurança do estado pelas mortes de segunda-feira.

“O que aconteceu ontem foi realmente um massacre”, disse ela. “Foram execuções extrajudiciais.”

A tropa de choque entrou em confronto com manifestantes em Puno na segunda-feira.Crédito...Juan Carlos Cisneros/Agência France-Presse
A tropa de choque entrou em confronto com manifestantes em Puno na segunda-feira.Crédito…Juan Carlos Cisneros/Agência France-Presse

O ministro do Interior do Peru, Victor Rojas, disse que os protestos em Juliaca começaram pacificamente, mas se tornaram violentos por volta das 15h, quando cerca de 9.000 manifestantes tentaram tomar o controle do aeroporto e pessoas armadas com armas improvisadas e explosivos atacaram a polícia.

O Sr. Rojas afirmou que as forças de segurança agiram dentro dos limites legais para se defender. “Tornou-se impossível controlar a multidão”, disse ele.

As manifestações no país começaram pouco depois que as autoridades prenderam Castillo sob a acusação de rebelião em 7 de dezembro. No último mês, alguns protestos foram pacíficos; em outros casos, os manifestantes usaram estilingues para arremessar pedras, montaram bloqueios em rodovias vitais, queimaram prédios do governo e tomaram aeroportos.

Quando a nova presidente, Dina Boluarte, ex-aliada de Castillo, declarou estado de emergência em dezembro, os militares foram às ruas para manter a ordem.

A violência de segunda-feira elevou o número nacional de mortos desde a deposição de Castillo para pelo menos 46 pessoas, de acordo com a ouvidoria do Peru. Todos os mortos são civis, disse o escritório, com 39 pessoas mortas em meio a protestos e sete mortas em acidentes de trânsito relacionados ao caos ou como resultado de bloqueios de manifestantes.

Centenas de policiais e civis ficaram feridos.

Não está incluído nessa contagem o corpo de uma pessoa encontrada morta na terça-feira em um veículo policial incendiado em Juliaca, depois que o ministro do Interior disse que o veículo havia sido atacado.

As violentas convulsões no Peru ocorrem quando a América do Sul enfrenta ameaças significativas a muitas de suas jovens democracias, com pesquisas mostrando níveis excepcionalmente baixos de confiança nas instituições governamentais, políticos e na mídia.

No domingo, apoiadores do ex-presidente de extrema-direita do Brasil, Jair Bolsonaro, invadiram o Congresso e outros prédios da capital, alimentados pela crença de que a eleição que Bolsonaro perdeu em outubro havia sido fraudada. Na vizinha Bolívia, protestos eclodiram no centro econômico de Santa Cruz após a prisão do governador da oposição, cujos partidários afirmam que ele está sendo perseguido pelo governo no poder.

No Peru, o derramamento de sangue mais recente ocorreu na região de Puno, uma parte fortemente indígena do país, depois que milhares de aldeões de remotas comunidades aimarás chegaram aos milhares à cidade de Juliaca.

Muitos estão pedindo a volta de Castillo ao cargo, um fracasso político na capital de Lima, e uma mudança que seria ilegal.

A principal demanda são novas eleições gerais, que as autoridades eleitorais disseram que podem acontecer ainda no final deste ano. O Congresso rejeitou um prazo tão apertado, com muitos representantes relutantes em desistir de seus assentos, mas apoiou uma proposta de votação em abril de 2024.

No início da tarde de terça-feira, Boluarte ainda não havia comentado sobre os distúrbios desde a confirmação do primeiro civil morto no dia anterior, quando parecia exasperada com as exigências dos manifestantes.

“A única coisa em minhas mãos é antecipar as eleições e já propusemos isso”, disse Boluarte em um evento na segunda-feira. “Durante a paz, tudo pode ser alcançado, mas em meio à violência e ao caos fica mais difícil.”

- Publicidade -spot_img