17.5 C
Brasília
terça-feira, 27 fevereiro 2024 6:50

Mulher sofre violencia sexual por policial em delegacia de copacabana

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

Após o suposto abuso, o agente mandou mensagens para a vítima. Em um trecho da conversa, policial civil chegou a elogiar as partes íntimas da vítima. O namorado da mulher acabou sendo solto.

Uma vítima de violência doméstica denuncia ter sido estuprada por um policial dentro de uma delegacia no Rio.

A mulher contou que o agente fez ameaças, com uma arma, quando ela desistiu de registar uma ocorrência contra o namorado.

A Polícia Civil informou ter pedido a prisão do suspeito, mas que a Justiça negou a solicitação. A Corregedoria vai apurar o caso.

O agente foi afastado do trabalho na 12ª DP (Copacabana). O Sindicato dos Policiais Civil afirmou que presta assistência jurídica ao acusado e que o decorrer das investigações vai comprovar que os fatos não são verdadeiros.

O caso teria acontecido na madrugada do último dia 4. Segundo a mulher, o abuso aconteceu após o policial chantageá-la. De acordo com a vendedora, o homem ameaçou o ex-companheiro dela e, depois, condicionou a soltura dele em troca de sexo.

Ela negou, e o agente forçou a relação sexual alegando que ela só deixaria a 12ª DP após transar com ele.

A mulher conta que o sexo aconteceu em uma espécie de quarto na 12ª DP. Segundo a vítima, o agente usou também uma arma durante o abuso para ameaçá-la.

Ainda de acordo com a vendedora, o policial também a agrediu fisicamente durante a relação sexual, apertando seu pescoço. Ao g1, a mulher lembrou que o policial tinha camisinhas no local.

O crime teria acontecido pouco depois das 2h do dia 4 de fevereiro.

Mensagem com elogios após o ato
Após o abuso, o agente mandou mensagens para a vítima. A reportagem teve acesso à íntegra da conversa entre ambos. Em um trecho, ele chegou a elogiar as partes íntimas da vítima.

Horas depois do abuso, a vítima procurou a Deam do Centro do Rio e registrou um boletim de ocorrência. A mulher prestou depoimento e foi encaminhada para fazer exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) do Centro.

De acordo com o Laudo de Exame de Corpo Delito de Conjunção Carnal, assinado pela perita legista Denise Macedo Jana, há vestígios de violência por ação contundente, mas requer mais exames para comprovar a violência sexual.

Com esse documento, a Deam do Centro pediu a prisão preventiva do agente. No entanto, o Tribunal de Justiça negou.

Vítima tinha sonho de ser PM, diz advogado
Patrick Rosa Barreto, advogado da vítima, disse que vai voltar a pedir a prisão do investigador e pediu celeridade para que ele seja punido pela Polícia Civil e pela Justiça. Ele lembrou também que a vítima tinha um sonho de ser policial militar.

“Isso é inadmissível. O exame do IML constatou o estupro. Ele precisa ser responsabilizado. A menina está em estado de choque com tudo que aconteceu. A minha cliente tinha um sonho de ser policial militar e agora está abalada com tudo isso. Ela desistiu do sonho. Queremos celeridade e a prisão dele. A Justiça negou o pedido de prisão, um absurdo. Vou me habilitar como assistente de acusação e requerer a prisão”, afirmou o defensor.

O namorado da vítima foi ouvido e liberado. Ele vai responder pela agressão em liberdade.

O que diz a defesa

O suspeito está sendo defendido pelo Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Rio (SindPol).

Em nota, Ricardo Monteiro, o advogado do órgão disse que “o policial tem 24 anos de carreira, sem quaisquer anotações em sua ficha funcional e que a investigação comprovará que o policial civil não cometeu os atos que lhe são imputados e que tem direito à presunção de inocência já que nada restou provado em seu desfavor”.

Na tarde desta segunda-feira (13), o df1 ligou para o celular do policial. No entanto, a ligação foi para a caixa postal.

O que diz a Polícia Civil

Em nota, a Polícia Civil disse que “o caso está sendo investigado pela Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) do Centro do Rio, que ouviu os envolvidos e testemunhas, e realizou outras diligências”.

Ainda de acordo com a Civil, a delegada Alriam Miranda Fernandes pediu a prisão preventiva do policial, que foi indeferida pela Justiça. O telefone celular dele foi apreendido e foi encaminhado para perícia.

Ainda de acordo com a instituição, “em paralelo, a Corregedoria-Geral da Polícia Civil (CGPOL) instaurou sindicância e afastou imediatamente o servidor”. Por fim, a instituição disse que “não compactua com nenhum tipo de desvio de conduta e que todos os fatos já estão sendo apurados, assim como as medidas cabíveis serão adotadas no rigor da lei”.

A reportagem questionou o Tribunal de Justiça porque a prisão do policial civil foi negada. No entanto, até a publicação da reportagem o órgão não havia respondido. O df1 também entrou contato com o MP para saber se foram favoráveis a prisão, mas ainda não obteve resposta.

- Publicidade -spot_img

Você vai gostar disso