27.5 C
Brasília
quinta-feira, 22 fevereiro 2024 15:38

Bolsonaro contesta resultado das eleições no Brasil

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

O partido de extrema direita do presidente cessante do Brasil, Jair Bolsonaro, contestou alguns votos nas eleições de outubro, que o viram perder por pouco para o esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva.

O Partido Liberal pediu à Justiça Eleitoral que rejeitasse as cédulas de algumas urnas, que, segundo ele, foram comprometidas no segundo turno.

O tribunal deu agora ao partido 24 horas para alterar sua petição, para incluir o primeiro turno de votação.

As mesmas máquinas foram usadas nas duas vezes.

O partido de Bolsonaro teve um desempenho melhor do que o esperado no primeiro turno. A parte não apresentou prova de sua alegação de erros de máquina.

A vitória de Lula – com 50,9% contra 49,1% de Bolsonaro – foi homologada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), então o desafio pode não ir muito longe.

Trata-se de cerca de 280.000 máquinas de votação que foram modelos implantados antes de 2020. Bolsonaro afirmou anteriormente que o sistema de votação eletrônica do Brasil não é à prova de fraude.

Bolsonaro, embora não admita a derrota, deu sinal verde para uma transição presidencial. Ele se afastou do olhar público desde que perdeu a eleição em 30 de outubro.

Segundo seu partido, se descontados os votos em questão, ele venceria a reeleição “com 51,05% dos votos válidos, contra 48,95% de Lula”.

Imediatamente após a vitória de Lula ser declarada, muitos caminhoneiros apoiando o Sr. Bolsonaro ergueram bloqueios de estradas e houve confrontos com a polícia. Mas Bolsonaro disse mais tarde a eles que bloquear estradas não fazia parte dos protestos “legítimos”.

Alguns de seus seguidores continuaram se manifestando do lado de fora dos quartéis militares, pedindo uma intervenção militar para impedir a posse de Lula.

Bolsonaro põe fim ao silêncio sem conceder publicamente

Apoiadores de Bolsonaro bloqueiam estradas após derrota nas urnas

O mandato de Bolsonaro como presidente terminará quando Lula tomar posse em 1º de janeiro.

Lula, que já foi presidente de 2003 a 2010, hoje tem 77 anos e se tornará a pessoa mais velha a assumir o cargo.

A vitória de Lula foi um retorno impressionante para um político que não pôde concorrer na última eleição presidencial em 2018 porque estava preso e impedido de ocupar cargos públicos.

Ele foi considerado culpado de receber suborno de uma construtora brasileira em troca de contratos com a petrolífera estatal brasileira Petrobras. Sua condenação foi posteriormente anulada.

Bolsonaro, ex-capitão do exército, atraiu muito apoio de cristãos evangélicos e outros conservadores ansiosos para proteger os valores familiares. Mas seu mandato também viu o desmatamento acelerado da Amazônia e o aumento da desigualdade.