19.5 C
Brasília
segunda-feira, 27 maio 2024 21:32

Novas maneiras pra protejer o Pix criadas pelo Banco Central

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

O Pix já está integrado à vida dos brasileiros. Segundo o último estudo da Associação Brasileira de Bancos (Febraban), a facilidade de pagamentos elevou o número de transações para cerca de 26 bilhões e o número de transações para 12,9 milhões de rúpias. Mas um número tão grande de transferências bancárias também atrai a atenção dos fraudadores. Portanto, a manutenção total é mínima.
Embora a fraude represente 0,007% de todas as transações, segundo o Banco Central (BC), a preocupação com a segurança dos usuários obrigou o BC a tomar mais medidas para evitar fraudes e até mesmo abrir uma conta laranja para transferir dinheiro.
O uso da biometria facial aliada à análise comportamental – como padrões de uso, destino do valor e dados do dispositivo utilizado – é considerado atualmente o melhor meio de prevenir esse tipo de abertura de conta e fraudes decorrentes. roubo de contas financeiras ou telefones celulares. Usar chaves aleatórias em vez de um número de smartphone também fortalece as medidas de segurança do CPF ou CNPJ.
A análise é feita pelo pesquisador da Unico Guilherme Bacellar Moralez, especialista em tecnologia com foco em identidade digital. A empresa, que estima ter prevenido fraudes com mais de 70 bilhões de brasileiros em 2021, evita uma tentativa de fraude a cada sete segundos com sua solução de biometria facial. Segundo ele, a tecnologia de prova de vida é necessária para tornar todo esse ecossistema mais seguro.
“Isso se deve à proteção que essa tecnologia oferece, aliando a autenticação única de cada pessoa e a garantia da presença real do usuário no momento da captura. Evita fraudes comuns com o reconhecimento facial, que permite o uso de imagens e fotos de redes sociais para capturar o rosto, permitindo assim a abertura de contas laranja e a verificação de transações financeiras.” explica Bacelar.
Detalhes
Um dos itens que o BC está explorando é permitir que instituições financeiras criem um token para laranja. ou contas de aluguel. A solução funcionaria como uma espécie de denúncia obrigatória de fraudes de CPF ou CNPJ em caso de suspeita de uso indevido de contas. Afinal, o Pix é a principal forma de fraudadores conseguirem dinheiro com atividades criminosas, seja golpe de WhatsApp, sites falsos de e-commerce ou spoofing de QR code para pagamentos diretos
Essa tag permite que aplicativos financeiros emitam um alerta na frente do usuário. conclui uma transação financeira e, assim, verifica novamente as informações de pagamento ou sai de uma transação fraudulenta sem executá-la por suspeita de uso.
“É uma ótima maneira de direcionar especificamente golpes em que fraudadores roubam ou clonam o WhatsApp das pessoas para pedir dinheiro, criando histórias falsas para os contatos das pessoas”, diz Bacellar.

- Publicidade -spot_img

Você vai gostar disso