21.5 C
Brasília
sábado, 24 fevereiro 2024 2:34

Aceleração de vacinação de idosos na China após protestos locais

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

A China anunciou nesta terça-feira (29) que acelerará a vacinação de idosos contra a covid-19, dois dias após protestos contra as restrições históricas do país e uma forte presença policial nas ruas para impedir novos protestos.
Em seu comunicado, a Comissão de Saúde prometeu “acelerar o aumento da vacinação de pessoas com mais de 80 anos e continuar aumentando a vacinação de pessoas de 60 a 79 anos”.
Segundo os dirigentes da comissão, apenas 65,8% das pessoas com mais de 80 anos estão totalmente vacinadas no país.
Limitar a vacinação de idosos é uma das justificativas do governo comunista para uma política de saúde rígida que inclui detenções de longo prazo, quarentena na chegada do exterior e testes quase diários da população.
A evolução nas taxas de vacinação pode oferecer à China uma saída para sua política de “cobiça zero”.
Na prática, a política tem sido alvo da raiva popular por quase três anos em protestos de fim de semana que foram os maiores no país desde o movimento pró-democracia de 1989.
A frustração de muitas pessoas com o sistema político também contribui para os protestos. China. Alguns manifestantes até pediram a renúncia do presidente Xi Jinping, que recentemente ganhou um terceiro mandato, protestos foram desencadeados na semana passada por um incêndio em uma construção em Urumqi, capital da região de Xinjiang (noroeste), que matou pelo menos 10 pessoas. Muitos chineses dizem que os bombeiros foram prejudicados pelas restrições impostas pela estratégia “covid zero”, que o governo de Pequim negou na segunda-feira.
Após protestos de fim de semana em várias cidades do país, mais manifestações foram planejadas para a noite de segunda-feira, mas uma forte presença policial nas ruas as impediu, informaram correspondentes da AFP em Pequim e Xangai. Proprietários de bares no
de Xangai, perto do local dos protestos do fim de semana, disseram à AFP que receberam ordens de fechar as portas às 22h, acusados ​​de tentar conter a explosão. Havia também
policiais nas saídas da estação do metrô, jornalistas da AFP assistiram enquanto agentes prendiam quatro pessoas e depois libertavam uma. O repórter viu 12 viaturas a 100 metros da rua focadas nas manifestações de domingo.
“A atmosfera está nervosa hoje. Há muitos policiais”, disse à AFP um homem de 30 anos em Xangai no final da tarde.
As autoridades em Pequim impediram novas manifestações com uma forte presença policial nas ruas na segunda-feira. No entanto, manifestações foram organizadas em outros lugares. Dezenas de pessoas foram organizadas em Hong Kong. estudantes se reuniram para homenagear as vítimas do incêndio de Urumqi.
“Não desvie o olhar, não se esqueça”, gritavam os manifestantes.
Em Hangzhou, quase 170 quilômetros a sudoeste de Xangai, pequenos protestos foram registrados devido ao forte esquema de segurança no centro da cidade.
“As autoridades citam a covid como desculpa, mas estão usando restrições muito rígidas para controlar a população chinesa”, disse à AFP um manifestante de 21 anos, dando apenas seu sobrenome Chen.
A sombra do Covid
O governo chinês mantém sua política de “covid zero”, mas há sinais de que as autoridades locais planejam relaxar algumas regras para conter os protestos.
Em Pequim, é proibido trancar os portões de áreas residenciais com cadeados, informou a agência de notícias estatal Xinhua no domingo. Essa prática desencadeou uma rebelião, expondo as pessoas a pequenos surtos de infecção.
Um influente analista político da imprensa estatal anunciou que o combate ao coronavírus será ainda mais reduzido e a população se acalmará “em breve”.

- Publicidade -spot_img

Você vai gostar disso