24.5 C
Brasília
domingo, 25 fevereiro 2024 22:50

Celina Leão Governadora de Brasília diz ser contra Guarda Nacional

As mais lidas agora

PEC do estouro é protocolada no Senado

Após 13 dias de debate no Senado, a...

Temor a Deus

  "O temor do Senhor é o princípio da...

Casal é chicoteado e espancado por apoiar Bolsonaro

Tribunal do Crime cobra casal que fez campanha...

Mistério de Deus

QUERIDA MOCIDADE, QUERIDOS PASTORES: Assim diz a Santa...

A governadora interina de Brasília, Celina Leão (PP), manifestou-se nesta 6ª feira (27.jan.2023) contra a criação de uma Guarda Nacional para tomar conta de áreas da capital. A proposta é analisada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como parte de uma reação aos ataques extremistas contra as sedes dos Poderes no 8 de Janeiro.

A criação de uma força federal para cuidar de pontos como a Esplanada dos Ministérios é parte de um pacote anunciado na 5ª feira (26.jan) pelo ministro da Justiça, Flávio Dino (PSB). Se Lula decidir avançar com a proposta e ela for aprovada pelo Congresso, o governo do Distrito Federal perderá poder.

“Nós não concordamos com essa criação da Guarda. É mais uma força de segurança para ser administrada aqui pelo governo do Distrito Federal, mesmo que seja em parceria com o governo federal”, disse Celina à jornalistas nesta 6ª feira (27.jan).

“A nossa Polícia Militar dá conta, sim, o que faltou no dia 8 foi um comando. A Polícia Militar nunca faltou em todas as manifestações que tiveram aqui”, declarou a governadora interina.

“O reforço do batalhão, que nós já providenciamos, e a construção de um novo batalhão, vai resolver definitivamente esse problema”, disse ela.

Segundo Celina, a medida não será exatamente uma interferência, mas poderia causar algum tipo de confusão. “No momento principal de qualquer problema que nós tivermos a Polícia Militar vai ter que ser acionada”, declarou ela.

Na última 2ª feira (23.jan), Dino prorrogou o uso da Força Nacional em Brasília, em “caráter episódico e planejado”, de 20 de janeiro a 4 de fevereiro.

O ministro autorizou o uso da Força Nacional na capital federal pela 1ª vez no período de 7 a 9 de janeiro, quando já havia a expectativa de que bolsonaristas fizessem ato no 8 de Janeiro. Na época, o ministro disponibilizou cerca de 400 homens para atuar no local.

A FNSP é um programa de cooperação federativa coordenado pelo Ministério da Justiça. Atua na preservação da ordem pública, na segurança de pessoas e de patrimônio e em emergências e calamidades públicas.

- Publicidade -spot_img

Você vai gostar disso